Desfralde

Quando o bebê nasce, para ele, não há diferença entre ele e a mãe. É como se os dois fossem uma só pessoa. Por volta dos 8 meses o bebê passa a entender que ele e a mãe são pessoas diferentes. Da mesma forma, o bebê se relaciona com seus dejetos. Ele sente que a urina e as fezes são parte dele e, por isso, em alguns casos, jogá-los em uma privada pode ser bastante difícil.

Acredito que muitos já viram mamães e papais incentivando os filhos a usarem o “vasinho”, “troninho” ou “penico” e após a realização da necessidade fisiológica, é também muito comum verem esses pais realizando a maior festa em casa. Comprar calcinhas ou cuecas para o bebê, contar historinhas na hora que a criança está no vaso e ensinar o filho a dar tchau para o xixi e para e o cocô, são estratégias muito válidas, é necessário suavidade e ludicidade nesse momento. Afinal, devemos incentivar e respeitar todo o trabalho que a criança tem para a realização de suas necessidades.

Não existe idade exata para realizar o desfralde, mas a partir de 1 ano e meio a 2 anos, a criança começa o processo de adquirir controle sobre os esfíncteres (estruturas responsáveis pela expulsão das fezes e da urina). Sendo assim, a partir dessa idade ele inicia o processo de controle de suas necessidades fisiológicas. Entre 2 a 3 anos, a criança já está mais amadurecida e consegue executar alguns comandos e combinados com os pais. É importante ressaltar que o momento ideal para o desfralde é quando o bebê se mostra preparado e isso varia de criança para criança. As crianças normalmente dão sinais de que estão prontas para iniciarem esse processo, basta os pais se atentarem. Alguns sinais comuns são: quando a criança começa a anunciar que está fazendo xixi ou cocô (eles verbalizam),  começam a demonstrar desconforto com a fralda suja como por exemplo com “nojo”, algumas crianças por conta própria começam a retirar a fralda, alguns se escondem para realizar as necessidades e outros fazem caretinhas na hora H. Existem outros sinais, mas os listados são os mais comuns.

Criar rotinas é bem vindo nesse primeiro instante. Quando a mamãe ou o papai for ao banheiro, é interessante convidar a criança para ir também. Pontualmente perguntar a criança se ela está com vontade de ir ao vasinho também é legal. Este momento sempre deve ser prazeroso, não se deve ficar repetindo para a crianças frases do tipo: “Não quero ver você fazendo xixi nas calças! ”, “Se não fizer agora, depois não me venha chorando porque fez nas calças! ”. Temos que reforçar atitudes assertivas e não ficar apontando as falhas.

É necessário ter muita paciência nesse processo inicial. Os pais devem ser persistentes em caso de escapes. Digo isso, porque já acompanhei diversos pais que retiram as fraldas, mas em passeios e festas colocam a fralda na criança. Tais atitudes servem de recado para a criança de que ela não é capaz e isso confunde a cabecinha dela (em diversos momentos a criança acredita estar de fralda e acaba fazendo suas necessidades pernas abaixo).

O desfralde noturno pode demorar um pouquinho mais de tempo para se iniciar, mas é importante os pais observarem os sinais que a criança lhe dá para que possam realizar o mesmo de forma assertiva também. O mais comum é a criança começar a não fazer o xixi nas fraldas todas as noites. Quando esse fato ocorrer, cabe aos pais realizarem uma conversa bastante motivacional com a criança. Mostrar a ela que está ficando “mocinha” ou “rapazinho” e dizer que ela nem está mais precisando usar a fraldinha. Vale dar um tempo para a criança dizendo que na próxima vez que não ocorrer xixi na fralda vocês não vão colocar mais. Deixar a criança participar desse processo de amadurecimento com responsabilidade é muito importante. Pode ser que aconteça alguns escapes em algumas noites, mas ressalto que nunca se deve responsabilizar a criança por isso. Cabe aos pais realizarem uma rotina noturna mais segura: diminuir a quantidade de ingestão de líquidos após as 18:00, levar a criança para o último xixi no vasinho antes de deitar e se no meio da noite caso a criança acordar levar ao banheiro. E se mesmo assim escapar? Tenha paciência, pois seu filho está aprendendo, não desista!

Vale ficar atento as suas atitudes enquanto pais ansiosos com o sucesso do desfralde. Mantenha paciência e tenha muito cuidado para não realizar muita pressão psicológica na criança devido a sua ansiedade, pois, ela pode desenvolver infecção urinária ou constipação intestinal por medo de fazer xixi ou cocô de forma indevida.

Outra dica que não posso deixar de dar é: verifique se está tudo tranquilo quando for iniciar o processo de desfralde de seu filho. Se a criança estiver demonstrando qualquer desequilíbrio emocional, por menor que seja, não inicie o processo. Exemplos: a criança acabou de ganhar um irmãozinho e ainda não se acostumou com a nova rotina familiar, a criança iniciou na creche ou escolinha e ainda não se adaptou a essa nova realidade. Espere mais um pouquinho para começar em um momento mais calmo.

Se você realizou o processo de desfralde de forma assertiva e não obteve o resultado desejado com seu filho, se ele continua a não ter controle, discuta com o pediatra e peça a ele uma avaliação médica. O desfralde noturno leva cerca de 6 meses para obter a eficácia sem escapes (lembrando que varia de criança para criança). Se seu filho completou 6 anos de idade e você também não conseguiu realizar o desfralde, é importante a avaliação do pediatra. Deve-se avaliar se existe disfunção da bexiga ou se a criança está sofrendo de incontinência urinária. Caso organicamente for detectado que está tudo bem, procure a ajuda de um psicólogo para concluir esse processo de forma saudável.

Finalizo esse texto lembrando que para o bom resultado do processo de desfralde é necessário paciência e carinho. Lembre-se sempre: cada criança tem seu tempo de amadurecimento e ninguém é igual. Sendo assim, utilize também de seu sexto sentido e ajude seu filho nessa etapa de desenvolvimento.

Comentários

Faça login no Facebook para comentar.